A importância de uma boa história para a Mídia

Fato é fato, e um que está em cena a muito tempo e tem chamado muita atenção, é como a mídia é importante para criarmos uma boa imagem, este ato é muito usado por celebridades, se você não está na mídia, então está morto!

E o mesmo começou a valer para as marcas, uma boa abordagem é fundamental, não é nem para causar uma boa primeira impressão e sim para marcar. Pois com tanta tecnologia, está ficando cada vez mais simples criar um negócio, e essa facilitação é perfeita de início, mas com o passar do tempo, a concorrência aumenta, e se você não está dando bom dia para o seu público em todas as suas manhãs, você não será lembrado.
Nosso cérebro é totalmente imersivo, e com tanto bombardeio de informações, ficou fácil ver algo e esquecer 5 segundos depois, então é muito importante ser marcante na sua história. História? Isso mesmo, as pessoas não querem saber da sua marca, elas querem ouvir a história, se envolver, se emocionar, temos pouco tempo para dar atenção a quem merece, e se você acha que merece, é de extrema importância que tenha uma boa história para contar, caso contrário, será só uma marca chata atrapalhando o dia de alguém, e você não quer ser lembrado dessa forma, então dá uma olhada nos dicas que preparei para você.

Pontos para criar uma boa história

  • Humor

Não adianta você largar fotos de bichinhos fotos, casais apaixonados, passeios na praia, o lindo pôr do sol e diversas situações felizes se o seu público está mal humorado. Muitas vezes o que falta é empatia, nas redes tudo parece bonito, mas por trás das postagens lindas das viagens do feriado, todos temos algum problema nos incomodando, e um bom engajamento com o seu público é dizer que você sabe o que ele está passando, que você também passa por problemas, as pessoas gostam de se identificar uma com as outras, muitas vezes grandes amizades nascem através de problemas, ajudando um ao outro, estes são os que realmente duram, porque sair para tomar um chopp no final de semana é fácil para todo mundo, mas ficar em momentos difíceis, é para os poucos amigos que contamos nos dedos, e é deste amigo que vamos lembrar, é isto que as marcas precisam ser, melhores amigos, saber que podemos contar com elas e que nunca vão nos decepcionar.

  • Datas comemorativas

Pessoas gostam de serem lembradas, e dependendo da persona em que seu público se encontra, é muito importante lançar campanhas em datas comemorativas, por mais que a maioria das marcas já executem isso, elas só desejam um feliz alguma coisa e isso se torna repetitivo. Então, reforçando, você precisa ser marcante, precisa sair das frases prontas, usar e empatia e se identificar com o público, lembre se, correr riscos é melhor do que ser esquecido. Mas e onde a história entra nisso? Usar histórias para dar parabéns para alguém é a melhor estratégia, é como um discurso de casamento do seu melhor amigo, ele vai usar partes de histórias que marcaram os seus momentos juntos, para só depois falar que está feliz por seu amigo estar casando, a história sempre vem antes da marca.

  • Simplicidade

É comprovado que cada vez mais, o simples se destaca, não adianta fazer malabarismo, tentar reinventar a roda ou usar cores chamativas que muitas vezes nem combinam, você precisa ser direto e simplificar o máximo a história, seu público alvo não tem tempo para parar e tentar entender o que você quer dizer com toda essa complicação. Mas não confunda, o simples não é a mesma coisa que algo mal feito, simplicidade é uma mensagem passada de forma clara.

  • Compartilhe com que você mais gosta

Aqui vamos usar um grande engajamento, uma vez que você lança uma história que comove alguém, esta pessoa tem o desejo de compartilhar com seus amigos e fazer com que eles também se sintam bem, ela quer saber que não é a única que fica feliz aquela lembrança específica. E usando no final da campanha uma mensagem de direcionamento para que ela tenha coragem de realizar esse ato ajuda muito mais, portanto, compartilhe com quem você mais gosta. E sempre lembre que o principal fator é a empatia.  


Esses fatores são dedicados principalmente para redes sociais, mas histórias ficam lindas em qualquer lugar, elas despertam nas pessoas sentimentos muito fortes, como a vontade de gritar aos sete ventos, mas muitas vezes pensam em deixar para depois, e vão guardando, e não tem nada melhor do que despertar sentimentos adormecidos, proporcionar paixão, pois é ela que nos move, e as pessoas precisam se apaixonar pela sua marca, então vá em frente, traga felicidade, e não somente para a sua marca, mas para os seus clientes, dê vida para o seu nome.

taay

Anúncios

Pesquisa: preferência de chocolates

No dia 09/06/2016, apliquei uma pesquisa quantitativa exploratória, que foi executada com provas de chocolate ao leite, sem que a pessoa visse qual marca estava provando. A pesquisa foi realizada durante o intervalo na faculdade UniRitter, com alunos de diversos cursos, o universo foi composto por 50 alunos, no turno da manhã. 

As marcas eram apresentadas como 1,2 e 3, sendo a primeira da marca Lacta, a segunda Nestlé e por último Neugebauer.

 

Perguntas feitas:

1.Você tem uma marca de chocolate ao leite preferida?

(  ) Não  (  ) Sim

2.Você consegue identificar se ela se encontra em algum destes 3?

(  ) Não  (  ) Sim

3.Você sabe dizer qual a marca do chocolate que provou, e porque?

(  ) Não  (  ) Sim

4.Qual você prefere?

5.Não gostou de algum dos 3?

 

Com base nas respostas, foi percebido que existe uma forte presença em nosso mercado com a marca Nestlé, ela é vista como um padrão de qualidade e normalmente tem um custo maior do que a maioria.

A lacta também se encontra em um ambiente parecido com a Nestlé, sendo lembrada e marcada, já a Neugebauer não tem a mesma fama que as duas anteriores, é uma marca mais barata, existe em pontos de venda tanto quanto as outras, mas na visão do consumidor, se trata de marca meia boca.

A partir da percepção destas 3 marcas, analisamos que uma destas, por mais que seja forte e tenha um preço elevado, na prova não é tão boa assim, e estamos falando justamente da Nestlé. Durante o experimento, foi o chocolate que mais teve respostas negativas, como dizendo que é duro demais, tem pouco gosto, é amargo para um chocolate ao leite, tem pouco cacau, e foi confundido na prova cega, como sendo da marca Garoto, muitas pessoas ao prová-lo, chutavam uma marca fraca por não gostarem do chocolate, mas na verdade estavam provando o mais caro da lista.

No momento da prova da terceira marca, a qual seria a mais comum e barata, muitas pessoas chutavam como sendo Nestlé, pois gostavam mais dela, tendo um gosto mais forte, sendo mais doce e derretendo na boca.

Houve um momento curioso, onde uma pessoa citou que seu chocolate preferido era justamente Neugebauer, mas no momento de dizer se ele se encontrava entre os três, ela disse que não, e ainda falou que não gostou do terceiro chocolate, que na teoria, seria justamente o seu preferido.

O lacta, ainda continua com sua forma intacta, pois foi reconhecido na maioria dos testes, e foi o menor com índices negativos durante as provas, tendo um bom resultado.

Um comentário muito rico, aconteceu no momento em que foi feita a seguinte pergunta: Você não gostou de algum dos 3? E a pessoa respondeu: É chocolate!

Sendo chocolate, é realmente difícil não gostar, a maioria das pessoas tem uma queda por ele, e mesmo as marcas não tão boas acabam ganhando seu espaço, mas pela enganação de posicionamento de marca e toda a identidade que é criada em cima dela, muitas vezes a que parece ser a pior, por questões estéticas ou de preço, muitas vezes pode ser na verdade a melhor, pois o posicionamento e as estratégias da publicidade e do marketing criam realidades, dão cor a algo que na realidade é totalmente branco, preenchem um vazio e criam desejos e ilusões para os consumidores seguirem por eles e assim não precisam pensar muito, e isso pode ser tanto um risco, como uma oportunidade, se usada da maneira correta.

Resultado de preferência:

graph-2

 

 

No final, a marca preferida e mais cara do grupo acabou sendo a mais rejeitada, e confundida com marcas baratas, e as com custo menor foram citadas como Nestlé, pela lembrança de se tratar de uma boa marca, mas pelo que vimos na prática as cegas não é bem isso que acontece. Ao analisar pelo consumo de marcado, a Nestlé é a mais famosa, mesmo sendo rejeitada pelo gosto, prova que o consumidor tem tendências de ir pelo preço mais caro, um valor agregado que nem sempre corresponde com a qualidade. Isso foi mais uma prova do poder da publicidade e de um bom posicionamento, a publicidade tem muito poder, não podemos nos esquecer disto.

Publicidade e Propaganda, é de comer?

Muitos não sabem, eu mesmo só descobri na primeira semana da faculdade, que Publicidade é uma coisa e Propaganda é outra bem diferente.  

É, eu sei, louco né?

Quer dizer que esse tempo todo minha vida foi uma mentira?

Calma lá!!

Sabe quando você tem uma ideia, e quer que o mundo saiba disso, ou quando você quer convencer alguém de alguma ideologia sua? Você está de certa forma, usando alguns princípios da nossa grande e velha amiga, a persuasão. Você tem uma ideia, uma ideologia, uma religião, e quer passar ela adiante, dar continuidade ao projeto, para isto, é preciso que ela seja atraente e que outras pessoas tenham gostos parecidos com os seus, ideais, crenças, etc.

As marcas costumam fazer do mesmo jeito para deixar seu registro, elas PROPAGAM a sua ideia! Preste atenção: Propagar

Isto mesmo, a palavra PROPAGANDA, vem do ato de propagar algo.

Você tem essa crença, essa ideia, como montar uma marca, fazer todo o estudo de lançamento, e você geralmente contrata um publicitário para propagar o que você criou. Isto se vê muito claramente na Apple, onde as pessoas tem um sentimento forte pela marca, por toda a sua ideologia, é um dos exemplos mais fortes que se pode usar na categoria paixão por marcas. PORÉM, a Apple também uma muito o que chamamos de valor agregado a marca, afinal as pessoas não compram um smartphone, elas compram a maça, um status na sociedade. 

E o que sobra para a Publicidade?

A publicidade tem o papel de tornar a ideia pública, enquanto a propaganda pega vários argumentos para que a sua ideia faça sentido para o mundo, e tenha um bom impacto, a publicidade normalmente é onde entra o Money, ela se encarrega do estudo das mídias a serem usadas na divulgação, horários, estudo de público para um impacto eficiente, entre outros. No caso da Apple, a marca é tão forte, que nem se esforça tanto em mídias para divulgação dos produtos, pois o consumidor já foi fisgado pela paixão da marca, ela só precisa dizer: – Oiii, cheguei. Que as pessoas fazem fila para comprar.

Ainda não ficou claro? Calma lá.

A Propaganda é muito mais pessoal, envolve muito mais o lado sentimentalista, como algo que você sempre carrega para vida, é o coração do projeto, a alma. São as técnicas que vão te fazer chorar, como os comerciais do Zaffari no final de ano. Enquanto a Publicidade é mais encarregada pelo lado comercial de planejamento de marketing, não que a propaganda também não faça pesquisas de caso, muito pelo contrário. Afinal, para você emocionar alguém, você precisa saber o que essa pessoa come, ouve, lê, onde vai, como vive….

Tudo é muito bem calculado para te emocionar, e gerar uma boa visão da marca, ou o que quer que esteja sendo lançado. Este tipo de abordagem normalmente é muito eficaz em ONGs, projetos institucionais, e principalmente para te conscientizar de algo, como doenças, o que normalmente é o governo quem faz. Já ouvi a certa definição de que a propaganda é a parte institucional sem dinheiro, e a publicidade é onde o caixa entra. Mas não é necessariamente assim. Vamos ficar com a parte da emoção e da divulgação, seguindo para propaganda e publicidade, blz?

Exemplo Propaganda:

246605_10151269005289203_907377839_n

Assista aqui: Sofia Panvel

Quando se fala em Publicidade, geralmente se vai mais para o lado promocional, é comum ver o preço no anúncio, já na propaganda, muitas vezes se contam histórias, como a da Sofia, mas nada impede que propaganda também possua preço, mas em geral é assim.

Não vou entrar em partes mais teorias como derivações do latim e toda essa junção, meu objetivo aqui é passar um pente e te dar uma luz do conteúdo. Mas posso te adiantar, que cada uma delas, tem uma gama de abordagens para cumprir os seus papéis, e é bem interessante se aventurar nelas!

Eu sei que é confuso, demorei para me localizar, mas depois que você entende, fica bem mais fácil. Caso queira se aperfeiçoar no assunto, recomento os seguinte livros:

  • Propaganda de A a Z – Rafael Sampaio
  • Publicidade ou Propaganda? É isso aí! – Demartini Gomes

É isso aí!

As curiosidades de uma publicitária

Você já se perguntou o que acontece dentro de uma faculdade de publicidade? Lá, onde os futuros comunicólogos nascerão, pessoas que provavelmente lançarão as novas tendências do mundo, que criarão a moda que provavelmente seus filhos irão usar. Eu tenho esse costume de analisar tudo, de onde cada coisa sai e o porque, demoro horas dentro de um mercado porque tenho que analisar a construção de cada rótulo, e criticar, é claro.

Não sou uma jornalista que passa notícias importantes, nem uma médica que salva vidas, não, eu sou uma publicitária, e resolvi aceitar de vez esse título.

Nos detemos um grande poder para criar muitos dos anúncios que passam depois da programação que você assiste na televisão, e das revistas e jornais que estão no seu dia a dia, até mesmo enquanto você dirige e é impactado com diversos outdoors, fora as mensagens dentro dos signos que muitas vezes nem percebemos.

Agora, pense no poder que temos nas mãos, em como ele pode mudar os hábitos e gerar novos tipos culturais. Nós, não somente publicitários, mas seres humanos, temos um poder enorme nas mãos para fazer história e mudar o mundo. Me pergunto frequentemente porque muitos preferem ficar na sua zona de conforto e não interferir em nada, mas isto é assunto para um outro tópico. Neste momento, resolvi me responsabilizar, a minha profissão faz coisas que também mudam vidas, e quero ser o mais transparente possível.

Assistindo a tudo isto, não lhe causa uma coceira, aquela vontade e curiosidade de saber de onde esses publicitários saem?

Nós nascemos curiosos, vamos atrás, e muitas vezes matamos nossa inquietude, com conhecimento e mais conhecimento, este mesmo, na maneira padrão, é adquirido em uma universidade, é lá que são formados as grades curriculares, lá nós somos treinados. É claro que um bom publicitário deve ir além e buscar dentro de si o que realmente busca e se desenvolver, e existem aqueles que optam por seguirem seus instintos e riscos sozinhos, mas o inicio do fogo, o que nos abre a mente, são os ensinamentos dentro da faculdade, pelo menos falo por mim. Sempre fui criativa, desde pequena andava com câmera pra cima e para baixo, fiz cursos de criação e design, ajudei a fazer capa de CD para bandas de amigos, estava sempre envolvida  com criação, desde meus 11 anos pelo que me recordo, adorava ter o que pensar e o melhor de tudo, ver no final as descobertas a partir dos resultados dos desafios propostos.

Agora, recapitulando, parei para pensar em todos os ensinamentos dos professores em sala de aula, em como aquele lugar mudou a minha visão e me fez uma pessoa melhor, este pensamento me levou a ideia de criar um blog, onde resumiria tudo o que aprendo lá dentro. Não foi somente uma ideia, foi quase um tapa na cara, enquanto assistia a última temporada de Mad Men.

Mas enfim, sem muitas delongas, estou no meu quarto semestre, e tomei a decisão de revisar tudo que tive de importante desde o primeiro, e postar aqui. Quero muito passar o conhecimento a diante, pessoas que pensam em entrar na área terão um bom resumo do que se passa na faculdade, curiosos de plantão desfrutarão de assuntos bem envolventes para ler, e o mais importante, vou desenvolver minha habilidade e criatividade na escrita, o que me deixa muito empolgada. A criatividade me move, é a fonte da maioria dos meus sorrisos, e sei que ainda tenho muito o que aprender.

Será um prazer poder compartilhar o pouco que sei até então.. Seja muito bem vindo ao: Identidade Criativa.